Viver e amar

Colagem do Picnik

Olhando para a imagem de um casal abraçado (um dos pares da cor preta e outro,  branca), admirando a lua, reporto-me à idéia que fazemos de um “par perfeito” e por outro lado, às inevitáveis diferenças entre os seres humanos.

Estar juntinhos, contemplar a lua, dar valor aos pequenos gestos são inerentes à primeira fase dos relacionamentos, mas pouco mantidos.

Os filmes e telenovelas nos mostram atitudes de casais nem sempre compatíveis com a realidade. O amor cantado em prosa e verso enfatiza a saudade da presença amada. “Fecho os olhos pra não ver passar o tempo, sinto falta de você. Anjo bom, amor perfeito no meu peito, sem você não sei viver”’, palavras cantadas por Roberto Carlos.

O clima de romance dificilmente é conservado entre os pares e, normalmente, a mulher frustra-se e se considera infeliz por não amar e ser amada conforme o modelo.

Mas o que é viver o amor duradouro? Como é sentir-se feliz na parceira? Será que a vida descrita nos romances pode ser o referencial de amor e de felicidade?

Sabemos que a parceria conjugal estabelecida com base no amor data do início do século XX, pois as escolhas, anteriormente, eram decididas pelos pais. O amor não era o principal valor, mas a reprodução da espécie.

Na atualidade prioriza-se o sentimento. Contudo, o AMOR, amar e ser amado, envolve idealizações que podem pôr em risco o verdadeiro afeto, que é uma construção vincular.

No decorrer do tempo, o contexto relacional, muitas vezes, torna-se nebuloso e os pares já não conseguem a intimidade para a percepção dos sentimentos um do outro, quanto mais troca de carícias.

Amar envolve a valorização de qualidade da outra pessoa; seria ideal que as pessoas pudessem utilizar os atributos complementares que as fizessem crescer no afeto. Mas as mágoas geradas pelas frustrações e conflitos pelas diferenças podem desgastar o relacionamento.

É no dar e receber nos níveis social, sexual e afetivo que a relação se fortalece para enfrentar os obstáculos inerentes ao viver. Neste sentido, podemos enfatizar também a importância de manter a chama, apimentar a relação para que não se perca o gostinho do quero mais.

Não tinham razões para ser felizes. Mas, a despeito de tudo, tinham momentos de felicidade. Era quando começavam a falar sobre os seus sonhos. (…) Por vezes a felicidade se faz com sonhos impossíveis.” Rubem Alves in “O Amor que acende a lua.

Norma Emiliano

Comments

  • Yasmine Lemos
    Responder

    Oi Norma, o problema está no BLOGGER ele não atualiza corretamente.Tenho que fazer meu roteiro inteiro e vejo que tem post novo.beijo

  • ELIANA
    Responder

    Penso que a vida é feita de momentos felizes, o resto é vida normal ,dia a dia, complicações,trabalho…
    Mas devemos nos esforçar para termos muitos momentos bons em nossa vida!
    beijo

  • chica
    Responder

    Acho que não tem receita certa pra amar.É ir vivendo, se respeitando e cada dia se alegrando com as pequenas coisas da vida a dois e em geral. beijos,chica

  • Valéria
    Responder

    Oi Norma!
    Viver o casamento não é um execício tão fácil!
    Não é a toa que tantos casamentos se desfazem em tão pouco tempo. As idealizações e/ou o desgaste já advindo dos namoros completam o desastre. Não se tem mais respeito, compreensão e tolerância, ingredientes básicos. A Chica bem disse é no final se alegrar e compartilhar a vida a dois.
    Beijinhos e tudo de bom!

  • Lizete Ferraz
    Responder

    Minha eterna receitinha para um relacionamento dar certo: “ceder”, ambas as partes. Descer do pedestal e pedir perdão.
    O problema está em sempre se confundir “paixão”, que acaba logo, com “amor” que é construído com respeito, lealdade, fidelidade e cumplicidade.

    Beijos, Norma! um lindo dia!

  • maria alice marques
    Responder

    A felicidade de um casal, está na compreensão e no respeito mútuo, na fidelidade, lealdade etc:
    Um abraço.
    Alice

  • Toninho
    Responder

    Há que se buscar uma sintonia nas relações que permita o perfeito acoplamento.Aí vem respeito, tolerancia, paciencia e outras coisitas que fazem do viver um mar quase que cheio de rosas.
    Um abraço terno Norma.
    Bom feriado se for de saudades que não seja com dor.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: