Setembro

Seja bem-vindo Na numerologia, “setembro é o mês do desapego, do final de ciclos, e também do amor universal. ” Fonte Assim considerado, é um mês para realização de mudanças; eu não tenho escolha, rs,rs, pois meu aniversário é neste mês, no dia 20 terei uma nova idade. Na realidade, os dias, as paisagens, gestos, enfim […]

Poetando com

Cecilia Meireles Cântico VI “Tu tens um medo:  Acabar.  Não vês que acabas todo dia.  Que morres no amor.  Na tristeza.  Na dúvida.  No desejo.  Que te renovas todo dia.  No amor.  Na tristeza.  Na dúvida.  No desejo.  Que és sempre outro.  Que és sempre o mesmo.  Que morrerás por idades imensas.  Até não teres […]

Contato pessoal

Eu e o outro O estar juntos não quer dizer comunhão. O estar juntos, frequentemente, é uma forma terrível de solidão, um artifício para evitar o contato conosco mesmos. Rubem Alves O isolamento social nos colocou diante de muitas realidades, entre elas a solitude. Somos seres socais, habituamos a viver entre muitas pessoas e, por […]

Poetando

Espelho reflete as sombras No  banco há a espera Nestes  estranhos dias De pandemia   Os pássaros trazem Sons diversos Cortam o silêncio E gotejam vida   Natureza em fluxo Como os dias que Se  sucedem Entre o Sol e a Lua   No verde dos campos Há a esperança De que tudo passará. Vamos […]

E tudo mudou…

A lentidão é  marca que fica desta contagem regressiva para algo que tornará possível os encontros de afagos de corpos e alma.   Tempo paradoxal que seguiu veloz e deixou rastros em muitas histórias. Ciclos se sucederam e se cruzaram no mosaíco de cada familia.                          Tempo que parou e deixou grandes perdas de vidas e […]

Apesar da Pandemia.

“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. Clarice Lispector. Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres. Rio de Janeiro. 1998. Em […]

Estranhamentos caninos

Em tempo de pandemia “Para um cão, o tempo não segue linha reta, seu caminho não é um contínuo movimento para frente.(…) Descreve um movimento circular como o tempo dos ponteiros de um relógio(…) que giram em círculo , dia após dia, seguindo sempre a mesma trajetória“. Milan Kundera- in A Insustentável leveza do ser. […]

Como estamos na quarentena?

Vivenciamos o que pensávamos ser impossível: o mundo parar. Em 1977, Raul Seixas lançou a música O dia em que a terra parou ” Essa noite eu tive um sonho de sonhador. Maluco que sou, acordei . ” Foi assimNo dia em que todas as pessoasDo planeta inteiroResolveram que ninguém ia sair de casaComo que […]