Você pergunta – 21

Eu respondo

 

Este post faz parte de um projeto, assim sendo dirijo-me a pessoa responsável pela pergunta, mas de forma a trazer reflexão para outras pessoas que se interessarem em ler.

Estou muito angustiada, sem saber a quem recorrer. Meus sogros estao se separando e no meio desta confusão toda, acabou vindo à tona um segredo: o meu namorido nao é filho do meu sogro e a minha sogra quer esperar “o momento certo” para contar pra ele, pois tem medo! Estou muito aflita, me sentindo cúmplice agora desta história toda, me sentindo injusta e traindo o amor da minha vida. Lógico que nao quero ve-lo sofrer, mas acredito que a verdade sempre é melhor, nao?

De acordo Imer-Black (1994),  “a revelação de um segredo pode ter diversas conseqüências, desde efeitos curativos e catárticos para indivíduos e relacionamentos, como até colocá-los em situações de risco, muitas vezes envolvendo questões de segurança física de uma ou mais pessoas”

Não sei como teve conhecimento desse segredo, mas se você  soube,  outras pessoas também sabem. Você está considerando traição não contar o que soube, porém o segredo não é seu, mas da família do seu namorido.  Não entendo  como cumplicidade sua à história,uma vez que você  não participou dessa história  que gerou este segredo.  Na minha forma de pensar, observando as fronteiras familiares, quem deve contar a ele o segredo são os pais.

A verdade pode ser melhor,  e não há segredo que fica escondido para sempre. Porém,  por trás de cada situação existe uma história que só os envolvidos saberão revelar.

Pergunte-se:

Se você contar qual será o benefício disto e para quem?

Norma

Referência

IMER-BLACK, E. Os Segredos na Família e na Terapia Familiar. Porto Alegre: Artmed, 1994.

Comments

  • Toninho
    Responder

    Esta serie é mesmo otima amiga.
    Suas colocações estão perfeitas e nada de angustia e culpa e e aresposta é indiscutivel, que criou o nó,que o desate.
    Bela partilha para reflexão e servir de exemplo.
    Meu terno abraço amiga.
    Bom fim de semana.
    Bjo.

  • Roselia Bezerra
    Responder

    Olá, querida Norma
    Taí um ponto que sempre tentaram me atingir mas Deus sempre me foi favorável… as pessoas (nós) têm um lado tão perverso que ficam felizes com a desgraça alheia… é impressionante!!!
    A verdade é a que aparece e não as não ditas, muitas vezes…
    E, sabendo de certas “verdades” elas se tornam mais mentiras do que se não o fossem…
    É a vida!!!
    Bjs festivos de paz

  • Anne Lieri
    Responder

    Norma,que situação dificil!Tem segredos que não deveriam demorar tantos anos para revelar!bjs,

  • chica
    Responder

    Eu, aos 39 anos, fiquei sabendo que não era filha do meu pai… Foi horrívem mas logo tirei de letra.

    Deixe que a família o faça se quiser, mas veja com quem de direito, da necessidade dele ficar sabendo disso. Pra mim, nada acrescentou. Só problemas, pois de repente, minha identidade ficou estremecida. Depois mandei a outra família pro escanteio e fiquei apenas com a que me criou e meu pai é aquele. O outro, só me fez, no bem bom…

    beijos,chica

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

%d blogueiros gostam disto: