Um conto em curso

“É o pau, é a pedra, é o fim do caminho
(…)São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.” Antonio Carlos Jobim

Um Conto em curso…

E de repente se vê em meio a tormenta; a vida indefinida, tempo marcado pelas quartas feiras, quando trocava as roupas de cama e banho. Estranho sentir!!!

Tudo planejado colocado em stand by. Rotina inesperada, repetitiva e ao mesmo tempo surpreendente. Da limpeza à comida tudo por conta própria, além da exaustante limpeza de tudo que era pedido por delivery. Higiene continuada… prevenção primeira anunciada, além do isolamento social.

Quando poderia supor tal situação? Vida em preto e branco, apenas a varanda como mirante da vida, que ainda existe lá fora, com os pássaros livres em suas revoadas.

Amanhece e anoitece em sua morada, seu único reduto. Prazeres, compromissos profissionais, pessoais, enfim tudo que existia se transporta para o plano virtual e os laços de afetos esmaecidos pelo distanciamento.

Mundo pessoal interno/externo e mundial numa cerca de temor. Quantas imprecisões de noticias e quanta insegurança! Um filme dramático, de suspense, de terror? Não, realidade nua e crua, momento histórico, março/2020, surpreendido por um ser veloz e disseminador de angústias, perdas e pânico.

A fé e a esperança se aliam para alicerçarem este solo de incertezas e sem liderança.

História vivida, de seres mascarados, todos nesta tormenta, mas cada um velejando em seu próprio barco, que lhe trará maior ou menos possibilidades de enfrentar as mares, que se encontram ainda em curso de ondas, no aguardo da salvação…

Grata por sua visita

Norma Emiliano

Comments

  • chica
    Responder

    Infelizmente não é conto, ficção..è a realidade que estamos vivenciando.,Até quando? Esperemos pelo melhor! lindo te ler, refletir contigo! bjs, chica

  • jeannegeyer
    Responder

    perfeito o texto que retrata tristes tempos que estamos vivendo, bjs

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Gostei imenso como abordou a realidade de uma forma verdadeira e leve.
    Muito bom seu texto.
    Beijinhos,
    Ailime

  • verena
    Responder

    Conto que retrata triste realidade.
    Ninguém sabe quando o pesadelo termina.
    Gostei de ler, Norma.
    Um beijinho
    Verena.

  • roseliadosreisbezerra
    Responder

    Boa tarde de paz, querida amiga Norma!
    Um texto do que nós vivemos desde março, ilhados, como velejadores de um barco parado no cais…
    Muito sentida sua escrita.
    Tenha saúde em todos os níveis do seu ser!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

  • Marilene Duarte
    Responder

    Realmente, Norma, um conto em curso, já que não sabemos como escrever seu final. Um texto real e muito bem escrito. Bjs.

  • rudynalva
    Responder

    Norma!
    Tristeza o momento presente. A esperança é que logo passe…
    Lindo texto.
    cheirinhos
    Rudy

  • Sueli
    Responder

    Boa tarde Norma, por um lado temos que agradecer por estarmos com saúde e estarmos trabalhando, mas para mim tem me feito muita falta “bater perna” na rua, gosto de sair e caminhar.
    Bjs, Sueli

  • toninhobira
    Responder

    E de repente nos vimos pássaros, engaiolados, com medo de voar, As asas ainda batem, mas o lá fora nos amedronta e ficamos nesta espécie de inercia dia após dia, numa mesmice esquisita. Sonhamos com abraços, beijos e toques de mãos dos nossos queridos. Recolhemos nossos passos e marcamos passos, quando estamos do lado de fora desta gaiola, mascarados e isolados em nosso mundo com medo do semelhante, pois cada um é um potencial de risco e segue o conto num canto de gente aflita, que grita e não se aproxima, é o medo, é a precaução, é o isolamento imposto e preciso. Mas estamos vivos e ainda vamos ver nossas asas libertas nos levar para o cume das montanhas de nossos mais lindos sonhos contidos.
    Belo conto na tristeza que encerra.
    Gostei de ver o desenvolvimento Norma.
    Beijo amiga

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

%d blogueiros gostam disto: