Só ao meu lado

lado-a-lado

Foram 18 anos de vida em comum na qual considerava-se amparada por uma rede de segurança emocional. Quando se casara passou a depositar em seu companheiro toda afetividade que sempre recebera da família de origem e também a dividir com ele as responsabilidades familiares. Nem sempre obteve o que esperava, mas sentia-se segura emocional e financeiramente. Porém, seu “castelo” desmoronou quando descobriu que ele tinha uma amante e resolveu se separar.

Com a separação ele não correspondeu financeiramente ao acordado e ela ficou com todos os compromissos  do orçamento familiar,  além de dívidas de contas que supunham terem sido pagas por ele. A princípio sentiu que lhe faltava o chão, não tinha mais o apoio emocional nem financeiro do ex companheiro. Com muito esforço fez cortes nas despesas, mudou o estilo de vida familiar e agregou mais um trabalho para aumentar sua renda. Lentamente, mesmo com algumas cobranças dos filhos, acostumados ao padrão anterior de vida,  pagou as dívidas e voltou a ter tranquilidade face às despesas. Desta forma, sua autoestima e autoconfiança cresceram e compreendeu que poderia ter novos relacionamentos, mas num caminho paralelo, lado a lado; sua individuação foi a maior conquista de tudo que vivenciou.

“A vida nos ensinou que o amor não consiste em olhar um para o outro, mas sim olhar juntos na mesma direção!. Antoine de Saint Exupery

Norma Emiliano

Grata por sua visita

Imagem Net

Comments

  • chica
    Responder

    Norma, isso acontece tantas e tantas vezes … Pena! Mas que bom quando ela conseguiu se reerguer…Daí a conquista vale muito e muito mesmo! beijos, ótima semana,chica

  • roseliabezerra
    Responder

    Boa tarde de paz, queriga amiga Norma!
    Nunca um homem foi estabilidade financeira para mim e não conto com isso. Desde os meus dezoito anos tenho meus salários e, talvez por isso, relacionamento está independente de questão financeira, eu separo… amor e carinho não custam dinheiro algum.
    Bem, mas esta é minha experiência… claro que, se fosse preciso, eu nunca recusaria dividir despesas, acho justo, hoje em dia tudo se faz assim, não tenho apego material e casamento por conviência é um absurdo no meu ponto de vista! Um desmérito ao Amor…
    A mulher em questão foi sóbria e, como uma pessoa de garra, conseguiu se estabilizar. Eu já passei por isso e sei como é duro, tive que enfrentar trancos e barrancos para criar filhos sozinha, como ela. Não que agora sejam tudo flores (sou apenas professorra), mas não tenho mais filhos dependentes e isto ajuda demais.
    “Olho junto na mesma direção” do amado: temos paz de espírito sempre, com Deus no comando.
    O mais nos é acrescentado por acréscimo do Alto. Relacionar-se é amar e servir (para mim). Ganhamos ambos.
    Gostei muito de sua reflexão pós volta do passeio.
    Tenha dias felizes!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

  • maria claudete ferreira herculano batista
    Responder

    nunca , jamais colocamos nossas expectativas de sucesso no outro,se , antes não as submetemos ao discernimento que a espiritualidade nos dá, hoje penso assim , mas já pensei como tantas dessas garotas embevecidas sem entender o significado real do AMOR como conjugação de mundo e vida espiritual.

  • Ailime
    Responder

    Boa noite Norma,
    Uma história infelizmente que cada vez é mais real e na maior parte das vezes a Mulher fica sem meios suficientes para corresponder às despesas correntes.
    Triste quando não olhamos na mesma direção.
    Beijinhos,
    Ailime

  • toninhobira
    Responder

    Um conto da realidade que se apresenta diariamente, basta assistir um destes programas populares das emissoras de televisão, que estaremos de frente às estas situações, Relação mal concebida nas atrações sejam físicas e ou materiais e logo o castelo desmorona. A dor que não cabe em jornal Norma.
    Muito bom texto e partilha amiga.
    Boa e bela semana com paz e alegria.
    Beijo amiga.

  • Majo Dutra
    Responder

    É uma de muitas vidas de mulheres heroínas que se superaram principalmente pelos filhos.
    Acontece em todos os lugares, por vezes com grandes carências materiais…
    Foi um prazer ler o seu texto de ajuda psicológica.
    Dias bons, Norma.
    Beijos
    ~~

  • debbyacacio
    Responder

    É complicado, e só entende quem passou por situação semelhante. O problema da humanidade que tem em seus antepassados machistas.. nós temos a mania de colocar expectativas, alegrias e felicidades sob a responsabilidade do outro. Mas a dor é um elixir maravilhoso para o amadurecimento (quando profundo, honesto e sincero conosco) e amadurecendo percebemos e acredito que enquanto não nos amarmos em primeiro lugar ( sem exageros egoicos), não nos cuidarmos antes e acima de qualquer um,, não saberemos impor o valor e o respeito que merecemos em qualquer relação.
    Mas somos humanos!
    Bjs
    Debby 🙂

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: