Sentido da Vida

 

3395_200912

É

Onde você coloca amor

Por toda sua trajetória, as reuniões de famílias davam-lhe sentido à vida. Trabalhar significava obter recursos para custear os gastos da casa, fazer almoços, festas,  encontros familiares e de amigos. Seu lazer era visitar parentes, jogar bingo entre amigos, participar das festas religiosas.

Seu grande prazer era preparar as refeições diárias e regá-las a vinho; gostava da gastronomia, criava animais (galinha, porco, cabra) para várias utilidades, inclusive fornecer leite gratuitamente àqueles que necessitassem, abatia os animais e aproveitava tudo que fosse possível, Assim, sentia-se feliz.

Teve durante certo tempo um comércio de bairro, depois comprou uma vila com várias casas e alugou-as. Contudo, a situação econômica do país acabou afetando seus ganhos, tendo que vender algumas casas. A partir de então, percebia-se o seu desalento. Mas não abandonou seu gosto pela comida e pelos seus vinhos, ali empregava sua renda.  A pressão acenava-lhe, mas não a impedia de fazer o que queria.

Certa manhã, a nora estranhou que não se levantará no horário costumeiro e ao entrar em seu quarto começou a gritar que chamassem o médico. A neta imediatamente foi a sua residência, que era do outro lado da rua e, rapidamente, o médico chegou para acudi-la. Sua pressão subira e ela estava tendo um derrame, tentava se comunicar, mas não conseguia. Ali faleceu rodeada pela família que ficou desolada.

Esta mulher, matriarca, forte chegou aos 85 anos com vitalidade e não suportava a perda de sua independência “financeira” e sucumbiu numa morte rápida, com algumas limitações, mas sem perder sua autonomia.

Para a família foi uma morte abrupta, mas para ela esta deve ter sido uma melhor forma.

Norma Emiliano

 

Comments

  • chica
    Responder

    Triste fim, mas enquanto deu, viveu bem , ao seu jeito! Quando não mais suportava a situação, se entregou…bjs, chica e linda semana!

  • taislc
    Responder

    E isso acontece muito, conto real. Hoje a vida está assim, como se vê pessoas tendo AVC por brigas familiares, por problemas econômicos, enfim, acabando com o emocional. Parece que a vida tem outro sentido, mudaram-se os conceitos. Pra pior!
    Beijo, Norma, uma boa semana.

  • verena
    Responder

    Boa Tarde, Norma
    Lindo, emocionante e atual o seu conto.
    Quantas pessoas, hoje em dia, estão enfrentando problemas
    financeiros.
    Triste isso.
    Tenha uma ótima tarde.
    Beijinhos para tí de
    Verena e Bichinhos.

  • Norma Emiliano
    Responder

    Verena
    O momento parece igual ao atual, por se falar em crise, mas este texto tem base no sé XIX, nos anos 60.

  • Norma Emiliano
    Responder

    Tais
    É a questão saúde/doença que envolve o Bio/social/emocional e sempre foi assim, mas ouco se falava disto. tendo vista a visão médico biológica.

  • Calu
    Responder

    Não há receita pronta para sabermos de todos os Ciclos da vida e suas alternâncias, infelizmente.Não que isto seja mote para nos deixarmos levar á deriva, mas como consolo, teremos sempre a força motivadora pra ações assertivas.
    Casos como esse contado, têm sido cada vez mais frequentes.
    Bjo,
    Calu

  • toninhobira
    Responder

    Muito bom este sobre o sentido que damos à nossa vida. A personagem viveu ou conviveu com seus medos e ainda assim teve uma longevidade, o que não é muito comum nos nossos dias, onde a tal da depressão vem como algoz..
    Um belo conto Norma.Gostei.
    Abraços. Bjs.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: