Rituais

 

Os deuses estavam em toda parte e imiscuíam-se em todas as atividades da vida diária. O fogo que preparava os alimentos dos fiéis e os aquecia, a água que saciava sua sede e lhes proporcionava asseio, até o ar que respiravam e o dia que os iluminava eram objeto de suas homenagens.” (Jung).

O findar e o começar de um novo ano para muitos significa renovar as esperanças da realização de projetos, para outros significa tristeza, solidão e desesperanças e para outros essa demarcação não é substancialmente significativa. A razão dessas diferentes percepções relaciona – se às experiências pessoais.  Vivemos dentro do tempo e num contexto sócio cultural que produzem conseqüências subjetivas.
 
A partir do nosso nascimento nos inserimos num universo de rituais. Assim, o retornar a memória de tempos relatados ou vividos mostra- me que na trajetória da minha família os rituais de passagem tiveram grande significação no encontro das gerações. Com a morte de meus ancestrais e o transcorrer do tempo surgiram novas práticas, porém os ritos permanecem em seu caráter simbólico. No entender de Van Gennep. (1989, p. 157) “para os grupos, assim como para os indivíduos, viver é continuamente desagregar- se e reconstituir-se, mudar de estado e de forma, morrer e renascer” (Van Gennep, p. 157).
Os dias e noites mesmo que aparentemente iguais trazem em si o renascimento e a morte.  A vida precisa dos ciclos e das alternâncias. No dia-a-dia, esses ciclos se expressam em nossas ações. Realizamos cotidianamente vários ritos, os de despedida dos membros familiares, quando saem para suas atividades, e até mesmo os de cuidados pessoais. Contudo, esses acabam perdendo seu sentido “sagrado”, transformando- se em atos mecânicos.

Os ritos de passagem marcam momentos importantes e organizam convencionalmente certos aspectos da vida social, favorecendo certa segurança através do sentimento de coesão.

Na virada do ano, as pessoas recorrem a pequenos rituais, que variam conforme as culturas, mas todos  têm a finalidade de renovar as esperanças de tempos melhores.

No Brasil, a queima dos fogos dá boas vindas ao novo ano; algumas pessoas banham-se no mar ou nos rios para acolher os novos tempos, outras brindam com champagne.
Na contagem regressiva os astros podem nos proporcionar muitos bons prognósticos. Podemos, também, fazer nossa lista de intenções, porém não basta a esperança renovada sem uma atitude proativa, pois como nos assinala Augusto Cury “não adianta sonhar e não lutar para tornar os sonhos realidade, porque sem luta não há vitória”.

Os rituais representam o elo entre o inconsciente e o consciente que aponta um caminho e, assim, uma possibilidade de recriação.

Referência bibliográfica
Arnold VAN GENNEP, Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 1978.

Norma Emiliano

Comments

  • orvalho
    Responder

    Olá,Nomra
    Que belo post!!!
    Augusto Cury: “não adianta sonhar e não lutar para tornar os sonhos realidade, porque sem luta não há vitória”.
    Cury é um dos meus preferidos… li quase toda a coletânea dele…
    Um bj de paz.

  • Maria Célia
    Responder

    Boa tarde, Norma
    Concordo com você e o Dr. Augusto Cury, só sonhar não resolve, temos que torná-los reais.
    Evidentemente, tenho alguns planos, projetos, sonhos, para o ano de 2011, entretanto, não tenho nenhum ritual ou superstição que faça ou coloque em prática pensando que isto me ajudará a realizá-los.
    Sendo assim, não poderei participar deste seu projeto.
    Desculpe-me.
    Grande abraço.
    Maria Célia

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: