Ressoando com

Krenak e Gleiser.

Participei do encontro de biblioterapia no qual fragmentos de livros de dois autores foram abordados na roda e considerei que seria uma boa oportunidade para compor esta série.

“O rio dá quando recebe” Gleiser.

“Queremos luz, sempre mais luz, mas temos que aceitar que sempre haverá sombra. Quanto mais forte a luz, mais densa a sombra que projeta. Essa escolha- baseada na complementaridade entre o saber e o não saber, na paixão da critividade e na humildade de aceitar nossos limites – me inspira constantemente a querer saber mais. Nesta busca sem fim encontro a paz. (Gleiser)”. A Simples Beleza do Inesperado (2016)

A simples beleza do inesperado é um tributo à natureza, um ensaio sobre a conexão entre o homem e o planeta Terra .

“Nosso tempo é especialista em produzir ausências: do sentido de viver em sociedade, do próprio sentido da experiência da vida. Isso gera uma intolerância muito grande com relação a quem ainda é capaz de experimentar o prazer de estar vivo, de dançar e de cantar. E está cheio de pequenas constelações de gente espalhada pelo mundo que dança, canta e faz chover. […] Minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história.” Ideias para adiar o fim do mundo– Ailton Krenak (2019)

“Neste livro, o líder indígena critica a ideia de humanidade como algo separado da natureza, uma “humanidade que não reconhece que aquele rio que está em coma é também o nosso avô”.

Comments

  • chica
    Responder

    Mais uma linda ressonância e o parágrafo final, adorei! beijos, chica e lindo fds!

  • toninhobira
    Responder

    Uma bela partilha Norma deste encontro com uma reflexão perfeita com olhar para a natureza como parte de nós. Um elo perdido creio pela ganancia e o progresso a todo custo. Matamos os rios, as matas e os manguezais e lamentamos as intempéries que temos vivido e sofrido. O pensamento central adiar o fim do mundo, deveria ser uma preocupação constante do homem e assim teríamos um mundo melhor, mais saudável.
    O rio está em coma é o nosso avô, onde tudo começou e se fez matéria.
    Muito boa postagem Norma.
    Grato por partilhar.
    Beijo e bom domingo de paz.

  • verena
    Responder

    Obrigada pela partilha, Norma.
    Excelente postagem.
    Tenha uma abençoada semana.
    Beijinhos
    Verena.

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Dois belíssimos excertos de livros de dois autores muito sábios!
    Participar dessas interações deve ser um refrigério para o espírito, para alem do conhecimento adquirido.
    Obrigada pela partilha.
    Beijinhos,
    Ailime.
    Vou deixar-lhe o link do Blogue de Graça Pires que, por lapso, não deixei quando partilhei o poema. Entretanto atualizei. Visite que vai gostar.
    http://ortografiadoolhar.blogspot.com/

  • Diná
    Responder

    Muita sabedoria nessa postagem.Concordo com Ailime, reuniões que despertam reflexão, sem dúvida são proveitosas, sempre há algo novo para ver e aprender, e vc como Psicóloga tem muito a nos transmitir. Agradeço a partilha querida.

    Boa noite de paz.

    Bjss

  • RUDYNALVA CORREIA SOARES
    Responder

    Norma!
    Dois livros interessantes e reflexivos.
    cheirinhos
    Rudy

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: