Relação mãe e filha

“O relacionamento entre mãe e filha é algo santo, terno e forte, cheio de minas, cordões umbilicais que se esticam e, às vezes, estrangulam”. John & Stasi, 2007

Carta_da_M_e_para_sua_Filha

Para muitos mulheres ter uma filha é seu ideal. Assim, quando isto ocorre há todo um investimento em cuidá-la e no envolvimento emocional. Enquanto bebê e criança há uma grande correspondência deste afeto da filha pela mãe. Existe um grande poder materno e a filha se espelha na mãe e relação entre ambas pode ficar ainda mais comprometida quando há a ausência de um terceiro,  ausência de uma autoridade paterna.

Quando surge a adolescência há muitas mudanças,  é  necessário que a fusão inicial deixe de existir, pois este é um período de transição, de busca da identidade. A forma como a mãe lida com esta fase tempestuosa pode afetar esta relação pelo resto da vida. É importante que a mãe perceba quando a filha realmente tem necessidade dela. Em alguns momentos, também surgem competições, mas a colaboração é mais benéfica para esse momento e para demais gerações. Por outro lado, mães são, por vezes, ambíguas quando delegam às filhas o que não viveu.

Na construção da sua identidade, a adolescente necessita lidar com seus conflitos em relação à mãe, tendo em vista que os problemas pendentes com ela serão transpostos na relação com um parceiro. Na ocasião do desligamento ressalta-se a importância do valor do si mesmo, não apenas em relação as suas virtudes estéticas e boa conduta, mas também no que diz respeito ao valor das habilidades profissionais. Neste sentido, a relação com outras mulheres facilitará o processo de consciência de si mesma como mulher e de um novo projeto de vida, o que  poderá promover  uma ligação com a mãe mais diferenciada e baseada no respeito e confiança mútua.

Norma Emiliano

Imagem Net

Comments

  • misturebasblog
    Responder

    Essa relação é algo lindo.Tem fases conforme filhos crescem e vão avançando pela vida.Porém, nunca acaba e é linda! Belo texto! bjs, chica

  • Majo Dutra
    Responder

    Sou mãe de uma filha única e achei a sua opinião corretíssima.
    A fase em que a filha e torna independente é difícil e dolorosa. A psicoterapia ajuda muito.
    Abraço
    ~~~

  • Èlys
    Responder

    É uma relação impar. Tem suas fases e isto é natural.
    Um abraço e feliz dia das mães

  • taislc
    Responder

    Não resta dúvidas que na adolescência a coisa muda um pouco, é a idade das contestações, das afirmações e das inseguranças. Naturalmente os filhos na adolescência nos dão preocupações maiores, mas o amor entre mãe e filho continua o mesmo, com uma ressalva: multiplicam-se as preocupações. Temos de encontrar uma meio-termo para não gerar atritos com frequência. Para mantermos a harmonia familiar. E nossa juventude, nossos hábitos foram diferentes, uma outra época.
    Beijo, Norma!

  • toninhobira
    Responder

    Muito boa sua postagem para esta complexa relação Norma. Creio ser muito difícil a transição nos dias atuais de muita informação e uma falsa ideia de que pode-se alijar do contato com a mãe.Concordo que uma carreira profissional e este contato com o mundo de mulheres acrescenta no processo de maturidade e facilita a travessia. Gostei de mais esta generosa reflexão com base na sua linda profissão e atividade
    Meu carinhoso abraço.
    Bjs.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: