Poetando com

Olavo Bilac

Velhas árvores

0025

“Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores novas, mais amigas:
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas…
*
O homem, a fera, e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres de fomes e fadigas;
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.
*
Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo! envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem:
*
Na glória da alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem! ‘

Comments

  • chica
    Responder

    Lindo e as velhas árvores podem tanto nos ensinar…Basta que paremos pra refletir! bjs, chica

  • Roselia Bezerra
    Responder

    Bom dia, querida amiga Norma!
    …” alegria e da bondade”…
    É minha meta na melhor idade também…
    Muito lindos seus poemas!
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

  • Majo Dutra
    Responder

    Não conhecia, Norma.
    Um soneto ecológico e notável no seu estilo.
    Abraço, estimada amiga.
    ~~~

  • toninhobira
    Responder

    Um belo soneto com a marca do Bilac em reflexões e analogias.
    Gosto de sua poesia, no colegial era um dos mais lidos.
    Bela escolha e partilha Norma.
    Bjs e feliz semana.

  • Valéria
    Responder

    Que poema mais lindo, Norma.. que riqueza de reflexão, Olavo Bilac nos traz nestes versos… me emocionei… envelhecer é uma grande arte e que estas frondosas árvores nos sejam um belo exemplo… e´assim que quero ser…
    Já coloquei o link do seu espaço, na minha lista de leitura, pra te acompanhar mais de pertinho… boa semana, beijos
    Valéria

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Magnífico poema de Olavo Bilac sobre as velhas árvores que tantas historias têm para contar.
    Beijinhos,
    Ailime

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: