O cultivo

Tem horas que a única coisa que posso fazer por mim é escrever. Fazer um pouco de carinho em mim. ” Bartolomeu Campos de Queirós

Nascer é um ato extremamente arbitrário, assim morrer e ambos são essencialmente individual. “(…) Só posso nascer do meu parto e só posso morrer da minha morte.” Bartolomeu Campos de Queirós. Mas na vida, diariamente temos que fazer escolhas e decidir. As escolhas nos direcionam os caminhos a seguir.

Temos diante de nós um quadro de grande instabilidades, de inseguranças, medo e distanciamento dos afetos (de maior ou menor grau). Além do contexto, temos que olhar com muito carinho às nossas necessidades, pois estas são sinalizadoras da saúde física e mental.

O autoconhecimento é o ponto de partida para a comunicação consigo próprio e com o outro. Para mim, atualmente, a expressão maior é a escrita, mas cada um descobre em si a melhor forma de falar de si e sobre a vida. Ter noção dos seus próprios limites pode facilitar o agir sobre as suas necessidades físicas e emocional.

Assim, ao pensar sobre o tema cultivo fiz o poema a seguir:

 Cultivo. 

Entre o sim e o não
Realizamos escolhas
Estabelecemos prioridades
Damos limites
Próprios e aos outros.

Fronteiras nem sempre
São visíveis.
As emoções nos impedem
Por vezes de construí -las

Conhecer seus
próprios limites
Ajuda a traçar
os caminhos

Por onde seguir
O que prosseguir
O que abandonar.

O sim e não
Selecionam e
Lançam sementes
Em nossos canteiros

Tenhamos firmeza,
Coragem de afirmar
O sim e o não.

Assim poder cultivar
E florir o canteiro
De cada dia.

E você, qual sua forma de acessar seu contato consigo e suas necessidades?

Fonte – Bartolomeu Campos de Queirós

Grata por sua visita.

Norma Emiliano

Comments

  • chica
    Responder

    Que lindo ,do inicio ao fim,Norma! E escrever nos coloca em contato conosco mesmo, trazendo pra fora o de dentro… beijos, chica

  • taislc
    Responder

    Olá, Norma, também a mim a escrita me tira a ansiedade e me preenche. A escrita e a leitura. Sim, estamos carentes dos afetos familiares, de sair e fazer o básico que fazíamos. Mas olho o futuro com um olhar de esperança, não muita, pois me parece que esse vírus ainda vai incomodar bastante, mas haverá um dia que vamos conseguir brecá-lo.
    Um beijo, cuide-se, um bom domingo!!!
    Espero que o comentário entre!

  • toninhobira
    Responder

    Bela apresentação de pensamentos nesta busca da colheita frutífera de nosso eu. Interessante este buscar os limites. Creio que é fundamental esta balança a gente peca em permitir e quando se vê, já não tem como limitar o outro e ai fica o sim encobrindo um não. Poesia e reflexão é arte Norma que sua bela poesia vem nos brindar.
    Dizer não ao não sem nenhuma cerimonia e encontrar o seu eu, eis a questão.
    Bom domingo de feliz semana Norma.
    Beijo amiga

  • Marilene Duarte
    Responder

    Norma, estou como você. Vejo a realidade, analiso os possíveis caminhos, fico diante do sim e do não. Minha válvula de escape é também a escrita, razão pela qual retornei aos blogues, após tantos anos de ausência.Esse grande período de quarentena nos oferece a possibilidade de reflexões, de redefinição de escolhas. Muito belo seu cultivo. Bjs.

  • roseliadosreisbezerra
    Responder

    Bom dia de domingo, querida amiga Norma!
    Emocionei-me ao ler o pensamento…
    A última estrofe do seu poema é linda e fecha com emoção.
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Bjm carinhoso e fraterno

  • Marina
    Responder

    Lindo poema! Estou lendo aqui, ao mesmo tempo em que pela janela vejo o dia ensolarado e as copas das árvores lá fora enquanto ouço música.. Tudo se integrando tão bem!
    Desejo-te uma semana maravilhosa.
    Abraços!

  • Ane
    Responder

    Oi Norma! Adorei seu post! Ultimamente estou escrevendo bastante,não só pra desabafar,mas pra tentar me entender.Beijos! :-*

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Excelente post.
    Adorei a sua análise e poema.
    Apesar de ter um blogue de poemas, a minha produção não vai além de um poema por semana e escrevo de ímpeto, direi. Não muito estudado, expontaneo, o que coloco em palavras.
    Neste tempo de Pandemia tenho tentando diversificar bastante minhas atividades.
    Beijinhos,
    Ailime

  • Norma Emiliano
    Responder

    Ailime eu também versejo no ímpeto, sem mética apenas me deixo levar. bjs

  • rudynalva
    Responder

    Norma!
    Acredito que precisamos cultivar a empatia e para nosso equilíbrio é preciso mesmo atitudes que nos normalize a alma e o coração.
    Para mim faço através da leitura, da escrita, do artesanato, da música…
    cheirinhos
    Rudy

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: