Mundo à parte

 amante1

Google Imagem

 

Na penumbra da sala, uma mesa bem posta. No ar o perfume das flores. Ao fundo, um casal envolvido ao som de “Em algum lugar do passado”. Esse é um cenário perfeito ao romance.

O desejo de amar e de ser amado faz parte da condição humana. Todavia, em nome desse amor, a vida traz para muitos, principalmente, para as mulheres, uma condição de se manterem em um segundo plano. Mas, nem sempre é esse (amor) o considerado como o vilão da história. Ser a outra traz alguns estigmas e configura para a relação um mundo à parte.

Alguns autores, entre eles Elza Berguó, já mencionam a hipótese de que há no Brasil uma poligamia disfarçada. Apontar-se para o maior número de homens em comparação ao de mulheres é limitar a compreensão dessa questão.

No jogo da sedução, no lugar de amante, as fantasias dominam.  Na relação distante a idealização predomina. Não se conhece a pessoa como ela é realmente. Promessas são feitas. Feitas em palavras que quase nunca se transformam em atos.

A aproximação das pessoas se dá por vários fatores. Há mulheres que por serem comprometidas e se sentirem entediadas da rotina consideram mais confiável se relacionarem com homens também comprometidos. Há outras que namoram homens comprometidos por desejarem a liberdade; outras dedicam sua vida, com uma eterna lealdade, ao homem que se divide entre a família e a amante. Essas se sentem “importantes”, pois são “o refúgio” de homens “infelizes” no casamento. Sejam quais forem as motivações, normalmente, surge a esperança de que em algum dia ele a escolherá definitivamente (quando perceber que não pode viver sem ela, quando os filhos crescerem, quando a mulher melhorar de saúde, quando…etc.).

Estar em cena, só quando é possível e/ou entre quatro paredes, distante dos olhares de conhecidos, pode trazer sentimentos contraditórios (insegurança, ciúme, culpa) que acabam intoxicando a alma e o corpo. Segundo Beauvoir, “esperar pode ser uma alegria.(…) mas passada a embriaguez confiante do amor(…) misturam-se ao vazio da ausência os tormentos da inquietação”.

Além disso, há também a possibilidade de a mulher sofrer violências, desde físicas até a violação da intimidade do lar, no momento em que a esposa entra em cena, tentando afastar a “intrusa” do seu marido. Mas, nem sempre esses fatores são considerados relevantes.

Nas histórias cinematográficas pode-se observar que existem a artista principal e a amiga. Na sua história de vida você pode escolher qual será o seu papel. Neste sentido, algumas perguntas podem ser norteadoras dessa escolha, ou seja: O que deseja da relação, quais seus projetos, que tipo de homem quer ao seu lado? Enfim, nada deve se sobrepor ao seu compromisso com você mesma. O encontro com o parceiro, mesmo que perdure, é contingente.  O nós não deve ocupar todo o espaço, pois é no Eu e Tu, individualizados, que se confirma a mútua escolha de uma parceria.

Norma Emiliano

Comments

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: