Julgar / Criticar

julgar-e-criticar

As minhas caminhadas são fontes de muitas inspirações; os pensamentos livres acabam articulando fatos, pessoas, sentimentos que se transformam em temas e acabam sincronizados e confirmados em sua importância, por um programa, uma notícia ou leituras.  Assim sendo, aqui esta o mais recente fruto, que ao chegar a casa e assistir uma entrevista vi que deveria escrever sem delongas.

A entrevista foi com o Rabino Nilton Bonder, já quase em seu término, mas que reforçou a direção que eu pensava tomar para iniciar esta nossa interação, que é a seguinte frase: Você já pensou que o que julga e critica no outro poderia usar a seu favor e com isto ser um elo para profundas mudanças no bem estar coletivo?

Este autor aponta o lado animal do ser humano e as possibilidades da evolução pela sua autocrítica, cobrar de si mesmo e perceber que não se pode julgar o outro sem que tenha experenciado as situações que julga e critica. Em Clarice Lispector encontramos uma boa representação destas idéias “Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias. Percorra os anos que eu percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz.”

Nos constituímos com certezas e caminhamos como se elas fossem incontestáveis, atraindo com estas forças gravitacionais que nos impedem de evoluirmos.  Assim sendo, o ato de crítica é positivo na medida em que se propõem a questionar (abre) e não a interpretar (fecha em si mesmo).

Portanto, o significativo não é focar na vida do outro, na falha do outro, no medo do outro, mas se centrar no seu próprio autoconhecimento e crescimento pessoal.

Norma Emiliano

Imagens NET

 

Comments

  • roseliabezerra
    Responder

    Olá, querida amiga Norma!
    Uma postagem, como semrpe, bem profunda.
    O vitimismo toma conta de nós em muitos momentos mas, quando a Graça vem e nos reveste, a gente ganha a resiliência e Clarice me faz muito bem em ler e até postei este mesmo pensamento que você usou para ilustrar o tema abordado num dos meus livros… ele é p-e-r-f-e-i-t-o!
    Gosto muito de passar por aqui, sempre aprendo algo.
    Aliás, a psicologia me atrai muitíssimo junto com a formação humana e a espiritualidade…
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

  • chica
    Responder

    Muito oportunos sempre teus textos e pensamentos. Tão bom refletir caminhando. E se todos assim fizessem, ver , analisar melhor a si mesmo antes de julgar os demais…Seria ótimo! beijos, chica

  • toninhobira
    Responder

    Que bela caminhada Norma. Criticar é sempre fácil mesmo e saber olhar para dentro sempre uma barreira amiga. Coletar no outro o que nos melhora e eleva seria o ideal. Nos remetemos ao julgamento da adultera onde todos ficaram com as pedras paradas nas mãos e por certo muitos ali aprenderam uma lição. Uma postagem interessante em reflexão sem dor e com incremento para a vida. Quando estamos a ler os amigos, muitas vezes somos levados a uma silenciosa critica não postada em comentário e assim podemos olhar para dentro e melhorar o que julgávamos pronto.
    Valeu Norma bela partilha amiga.
    Beijo

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Uma caminhada bem produtiva e um tema muitíssimo reflexivo!
    Gostei imenso e para mim foi mais perceptível lendo o pensamento de Clarice Lispecter.
    Criticar é fácil, mas olhar para dentro de nós e fazer o percurso do outro é bem mais difícil e é aqui aqui que o problema se complica…
    «o significativo não é focar na vida do outro, na falha do outro, no medo do outro, mas se centra no seu próprio autoconhecimento e crescimento pessoal.» Assim deveria ser sempre.
    Um beijinho e bom fim de semana.
    Aiilie

  • taislc
    Responder

    Muito bom, gostei muito desse teu texto, Norma. Penso com frequência essas coisas. E gostei muito sobre o que você postou também da Clarice Lispector:

    “Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias. Percorra os anos que eu percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz.”

    Fantástico!
    Beijo, um ótimo domingo!

  • Jeanne
    Responder

    que maravilha de texto Norma, penso igual, inclusive quem perde tempo julgando e cuidando da vida dos outros acaba não cuidando da sua.
    Bom domingo, bjs

    https://balaioderimas.blogspot.com/

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: