Blogagem Coletiva – A melhor idade

Participando da blogagem da BCV das queridas Gina, Rute, Rosélia, achei que poderia contribuir com algumas reflexões sobre esta etapa da vida (terceira idade) que vem contemplada como um novo rótulo – Melhor Idade.

O Idoso e os  afetos

Nascer, crescer, envelhecer e morrer são inerentes ao viver. O envelhecimento é um processo, “envelhecemos como vivemos; nem melhor, nem pior” (Jack Messy).

Eu estou nesta fase e sinto- me à vontade para afirmar que “envelhecemos conforme vivemos”.  Ao longo da vida construímos nossa bagagem e com ela seguimos até o último suspiro. Os vínculos não nasçem prontos;  é no dar e receber que os teçemos.

A estrada da vida é de altos e baixos,  de alegrias e tristezas, de encontros e desencontros. A forma como lidamos com estes antogonismos cria o pano de fundo da nossa história.

Na música  O Velho, Chico Buarque nos convida a refletir sobre o envelhecimento.

Qual a aprendizagem que podemos retirar deste viver cantado e escrito por Chico?


“O velho sem conselhos
De joelhos
De partida
Carrega com certeza
Todo o peso
Da sua vida
Então eu lhe pergunto pelo amor
A vida iteira, diz que se guardou
Do carnaval, da brincadeira
Que ele não brincou
Me diga agora
O que é que eu digo ao povo
O que é que tem de novo
Pra deixar
Nada
Só a caminhada
Longa, pra nenhum lugar

O velho de partida
Deixa a vida
Sem saudades
Sem dívida, sem saldo
Sem rival
Ou amizade
Então eu lhe pergunto pelo amor
Ele me diz que sempre se escondeu
Não se comprometeu
Nem nunca se entregou
E diga agora
O que é que eu digo ao povo
O que é que tem de novo
Pra deixar
Nada
E eu vejo a triste estrada
Onde um dia eu vou parar

O velho vai-se agora
Vai-se embora
Sem bagagem
Não sabe pra que veio
Foi passeio
Foi passagem
Então eu lhe pergunto pelo amor
Ele me é franco
Mostra um verso manco
De um caderno em branco
Que já fechou
Me diga agora
O que é que eu digo ao povo
O que é que tem de novo
Pra deixar
Não
Foi tudo escrito em vão
E eu lhe peço perdão
Mas não vou lastimar

Norma

Comments

  • Flora Maria
    Responder

    Demorei, mas cheguei até aqui para ler sua participação!

    Concordo com o “colhemos o que plantamos”. Totalmente!
    E, mais do que tudo, sei que cada um tem seu caminho e sua missão. Resta-nos aceitar e aproveitar o melhor que a vida nos reservou.

    Beijo

  • Rute
    Responder

    Vim só avisar que a BCFV ainda não terminou, hein!
    Temos já mais um post de abertura de nova fase (SET) publicado.
    Beijinhos,
    Rute

  • Denise
    Responder

    Daí que é importante nos relacionarmos com o maior número de pessoas. Não penso no amor homem-mulher, mas no amor entre todas as pessoas. É por isso q vale a pena viver. Ter amigos, companheiros, com quem falar, e o q ouvir, trocar. Isso me faz amar a vida. Muita paz!

  • Bel Rech
    Responder

    Muitos ficam sentados em frente de suas casa, vendo o tempo passar e nada levam , pois o tempo passou e nada fizeram…Depois não há como recuperar.
    Paz e bem

  • Lina
    Responder

    Olá, Norma!Linda música do Chico e bem apropriada. Mas será que existirá alguém que apenas “passou” pela vida?Acho que todos nós temos uma bagagem que carregamos e cabe a nós sabermos se ela é importante ou não, todo o tempo é tempo de recomeçar se achamos que o que carregamos não chega…Eu penso assim!
    Gostei da sua abordagem ao tema!
    Beijinhos

  • Valéria
    Responder

    Oi Norma!
    Que lindo poema! Pura verdade!
    Nossa velhice é o resultado do que fomos construindo no decorrer da vida, não tem milagres, afinal sedimentamos sentimentos, uma visão de mundo forjada pelas perdas e ganhos da vida.

    Beijos!

  • Rute
    Responder

    Bravo, Norma!
    Você contribuiu e muito para a 6ªfase da BCFV!
    Comecei por me encantar pela frase:
    «envelhecemos como vivemos»
    Grandissima verdade. Minha participação é um ótimo exemplo para essa máxima!

    Depois me deliciei com o poema de Chico Buarque!
    Extraordinário.
    Obrigada por mais este enriquecimento.
    Beijinhos.
    Rute

  • luma
    Responder

    Eita!! Cliquei sem querer!!
    Voltando… depois de ouví-la, estou mais precavida! 😉
    Boa semana!
    Beijus,

  • luma
    Responder

    “Envelhecemos como vivemos; nem melhor, nem pior” – Essa frase resulme tudo! Construímos a nossa vida e cada tijolinho, se não bem colocado, poderá ruir no futuro. Mas nunca é tarde para revisar e melhorar a vida, procurando não se envolver com coisas que nos chateiam e nos leva para baixo.
    Acho que já na maturidade, começamos a nos desvencilhar daquilo que é excesso em nossa vida, num preparo inconsciente para ter paz na terceira idade.
    Os mais antigos têm vergonha de falar publicamente do lado financeiro e acho este lado tão importante quanto a saúde, pois a afeta direta e indiretamente. Outro dia ouvi uma frase e que ficou “Não envelhecemos, empobrecemos” – Depois de ouví-la

  • anacristina
    Responder

    linda sua postagem! quando puder da uma espiadinha na minha participação:

    http://anacristinap.blogspot.com/2011/08/blogagem-coletiva-fases-da-vida-melhor.html

    bjo brigadu

  • Toninhobira
    Responder

    Bela sua participação Norma, andei lendo alguns destes exercicio e aqui voce bleamente ilustra com o Velho chico nesta canção perfeita.
    Uma boa reflexão, para viver cada dia com sabedoria e saber o que guardar nesta mala , que vamos carregando nesta vida, até a mudança de plano. Melhor idade é esta onde vivemos nossas emoções com garra e clareza.
    Uma bela semana de paz.
    Um terno abraço.
    Bju.

  • Yasmine Lemos
    Responder

    Sábio Chico.Viver cada momento sem dogmas e pressões ,arrependimentos não valem depois que o relógio do tempo determinar as rugas e marcas.
    beijo Norma

  • Adriana Nascimento
    Responder

    Norma, sempre nos instiga com uma reflexão na blogagem, que está sendo um exercício e tanto, pois cada participação – direta ou indiretamente – é um convite. Penso que há sempre o risco de se proteger tanto da dor e acabar não vivendo, apenas passando pela vida. Mas ao mesmo tempo, sempre penso o que é viver plenamente. Aposto que não é o mesmo para todos. Ainda não descobri minha resposta 🙂 Beijos!

  • Virginia Maria de Jesus Fassarella
    Responder

    Norma, seu texto está fantástico. Parabéns. Beijos.

  • Zilda Santiago
    Responder

    Menina!!!Quase não abre pra eu comentar!!!!Muito bom texto!Bjss

  • Meri Pellens
    Responder

    Honestamente acho que a melhor idade é a atual que vivemos; é a única que temos efetivamente.
    Beijinho, muita paz e abençoada semana, viu?

  • Socorro Melo
    Responder

    Olá, Norma!

    Envelhecer faz parte do processo de viver. É apenas mais uma fase. E como você diz: é importante que saibamos viver, para que envelheçamos como tal.
    Se durante as demais fases soubermos cultivar o amor, brincar, partilhar, participar, lutar por nossos ideais, sermos compassivos, com certeza teremos uma bagagem, um cabedal de experiências, que são extremamente importantes para que na velhice tenhamos uma boa qualidade de vida.

    Beijos
    Socorro Melo

  • Élys
    Responder

    Durante a vida as pessoas as vezes se assustam com uma infinidade de coisas e isso é natural. Vejo porém o avançar da idade como um avançar de experiências novas que vão nos fazendo evoluir. Estou e digo com tranquilidade, com 73 ano, meu corpo não tem mais a juventude, mas a minha mente tem mais conhecimento e vive feliz por muito ter aprendido e ainda estou aprendendo. Agradeço ao meu corpo por ter me permitido vivenciar a vida na Terra e quando aqui o deixar partirei feliz continuando a vida normalmente.
    Beijos.
    beijos.

  • Gina
    Responder

    Envelhecemos conforme vivemos é uma frase muito verdadeira. Colhemos o que plantamos.
    Se a colheita tem sido boa, mostra que o caminho foi bem percorrido. Parabéns!
    Não tem como passar incólume às adversidades, elas são até necessárias ao crescimento.
    Bjs.

  • Roselia Bezerra
    Responder

    Olá, amiga
    Desejo-lhe que a encontre neste mês assim:

    “…um amanhecer colhido na luz do teu olhar,
    orvalhado de emoções vividas”. (Meliss)

    Minha querida, que post encantador… Gostei muito!!!
    Sabe… me identifiquei de cheio com: “o Carnaval de brincadeira que eu não brinquei”… literalmente e conotativamente…
    Mas sabe que tenho um grande álibi???
    Deus foi por mim e mesmo não tendo tido condições favoráveis de colher o que semeava ao longo das Fases da minha vida na própria fase me si… Ele me integrou… me fez RESILIENTE do corpo e da alma…
    Meu coração está em paz… mesmo diante de incompreensões… consciência reta é o que nos fica de saldo…
    Bem original o vídeo…

    No dia 22, tem festa no meu blog que fará 2 anos… vou esperar vc, com muito carinho…
    A nossa Blogagem Coletiva é: O QUE É ESPIRITUALIDADE PARA MIM???
    Participe como puder… seja muito bem vinda!!!

    Mesmo que uma lágrima brote como o orvalho em nossa face nesse momento…
    Confiemos que Deus tem toda a proteção da nossa vida…
    Espero vc no próximo mês…
    Bjs de paz
    http://espiritual-idade.blogspot.com/

  • Ana Karla -MIsturação
    Responder

    Norma,
    suas palavras sempre deixam uma boa reflexão.
    A música é muito bonita.
    Boa semana
    Xeros

  • C.
    Responder

    É hipocrisia dizer que nao nos assustamos com algumas coisas ao passar dos anos… as últimas gotas de progesterona indo pro ralo, o óculos que vai aumentado o grau… enfim. Mas penso que bem pior é nao chegar nisso.

    Boa semana!!!

  • josé cláudio – Cacá
    Responder

    Duas lições que eu tiro, Norma:
    1 – Quem não aproveitou o tempo para construir uma história de vida, só terá lamentos como amparo.

    2 – Eu tenho muita compaixão de gente que resolve contar um dia sua história de vida e vê que só tem paginas de lamentos.

    Uma ótima semana. Paz e bem.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

%d blogueiros gostam disto: