Decisões

pensativa[1]

A vida é uma eterna surpresa.

Em nosso cotidiano, temos várias tarefas a serem desempenhadas; algumas dessas são rotineiras, mas sem percebermos, estamos continuamente fazendo escolhas e, portanto, tomando decisões. No entanto, há momentos que essas nos parecem difíceis e angustiantes, provavelmente, porque ameaçam a trajetória já estabelecida.

Cada indivíduo vive o seu próprio mundo, que é reflexo do seu ambiente físico, social e da sua própria natureza biológica. Suas necessidades e desejos aparecem através de mudanças no ambiente físico, social e biológico. Contudo, a percepção individual da situação, a intenção e o significado são  fatores importantes para as mudanças.

Todas as escolhas geram conseqüências e em todas, temos ganhos e perdas. Reporto-me, neste sentido, a uma pessoa que aos 55 anos considerava que o tempo que lhe restava na vida deveria ser para poder usufruí – lo de forma mais livre, sem compromisso com os horários que o trabalho lhe impunha. Já poderia, pelo tempo de serviço, aposentar-se, mas não tinha certeza dos benefícios reais que esta poderia lhe proporcionar. Mantinha-se ocupada, útil e interagindo. Na manutenção da segurança do conhecido, uma mistura de medo pelo incerto e desejo de liberdade lhe tirava a tranqüilidade.

O conceito do vocábulo decisão é constituído por de (que vem do  latim caedere e significa parar, extrair, interromper) que se antepõe à palavra caedere (que significa cindir, cortar). Sendo assim, literalmente significa “parar de cortar” ou “deixar fluir” (Gomes L.; Gomes C.; Almeida, 2006).

O  desejo de controle, muito comum no ser humano, age como freio que impede por vezes o deixar a vida fluir. Nas diversas etapas da vida humana,  os ciclos se sucedem. Algumas vezes, sem percebermos, tentamos nos aprisionar à determinada fase ou situação  por apego ou medo do novo.

As possibilidades de escolhas existem, mas precisamos também perceber que entre o ato da decisão e a realização, há uma defasagem que depende de vários fatores e que nosso controle tem um raio de alcance.  Desta forma, precisamos tolerar certo grau de surpresas, de perdas, frustrações e permitir sermos simplesmente viajantes, pois como já nos dizia J. A Wanderley: A vida é a arte das escolhas, dos sonhos, dos desafios e da ação.

Apesar dos medos, das dúvidas e do novo, estamos sempre fazendo escolhas, mesmo quando permanecemos no conhecido. Nossas bagagens pessoais existem, porém podemos  reorganizá-las para novas aventuras. Criar asas para novos vôos.

Norma Emiliano

Imagem Net

Comments

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: