Conte

Sua história

quarta10-01-story

 

Alguns fatos ocorridos, infelizmente desagradáveis, no meu entorno,  me impeliram a escrever a poesia abaixo. Durante à noite, enquanto desperta, veio a minha mente algumas vezes esta ideia de compartilhar e interagir com vocês. Assim sendo, nos comentários narre pequeno fato de alegria ou tristeza que a vida possa ter lhe surpreendido.

 

São tantas as surpresas
Elas chegam e podem
Nos tirar o chão.
Não temos controle
Dos acontecimentos
Mas sempre consideramos
Que não fizemos o suficiente.

Como impedir o fluxo?
Não há mágica para
Retornar o que se foi
Aceitar! como é difícil,
Que nada mais será
Como antes.

O imaginável bate
A porta e não há
Como negar.
Aceitar! como é difícil,
Que há um imenso vazio
Que nada o preencherá.

“A vida não é a que a gente viveu, e sim

a que a gente recorda,e, como recorda

para contá-la.”  Gabriel  G. Marquez

Imagens Net.

Grata por sua visita

Norma Emiliano

Comments

  • Graça Pires
    Responder

    Vazios difíceis de preencher fazem parte da vida que vamos levando para a frente… Gostei do poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

  • Chica
    Responder

    Lindo teu poema e dá a noção do teu sentimento.

    Tantas coisas a contar
    Nosso dia a dia tao corrido…
    Por vezes melhor nem pensar,
    Em como nosso povo é sofrido!

    Beijos,chica

  • verena
    Responder

    Boa tarde, Norma
    Sim, surpresas, nem sempre agradáveis, podem nos surpreender.
    Uma das minhas filhas vai para Alemanha no próximo ano.
    Marido vai ser transferido.
    Para eles uma nova experiência.
    Para nós, fica a saudade.
    Preparei meus filhos para o mundo, mas não fui preparada para viver sem eles.
    Te desejo uma ótima semana.
    Um abraço carinhoso de
    Verena.

  • Roselia Bezerra
    Responder

    Boa tarde, querida amiga, Norna!
    Não vou longe… neste feriadão para nós, brasileiros, chegava da caminhada matinal e toca o interfone… era filho e comitiva…
    De passagem a outro balneário, mas não deixamos de fazer selfies e rirmos muito…
    Um par de horas que valeu por dias e dias… Na despedida, ele ia gritando alto pra todo mundo ouvir: – Mãe, mãe, mãe…
    Ele é muito brincalhão e foi um belo momento onde estava eu com outras visitas no mesmo dia chegando…
    Ficará também para a memória do coração esse momento de surpresa proposital pois não quis se fazer anunciar… para causar mais sensação, segundo ele.
    Norna, sempre com belas postagens que nos enriquecem .
    Sua poesia deu vazão ao sentimento momentâneo e ficou muito linda.
    Seja muito feliz e abençoada!
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Na verdade a vida nos surpreende muito.
    Fiquei sem chão, quando no dia de Natal do ano passado, pouco depois de ter visitado meu pai no hospital, me telefonaram a dar conhecimento do seu falecimento.
    Perante isto, que dizer?
    Restam-me as boas lembranças e que descanse em paz.
    Beijinhos e boa semana.
    Ailime

  • Majo Dutra
    Responder

    Percebi que passou recentemente por uma grande provação, mas como mamãe dizia, só para a morte é que não há remédio.
    Se foi o caso, o meu terno abraço solidário.
    Um companheiro antigo da blogosfera desapareceu do convívio durante um tempo, depois editava ocasionalmente uma poesia e sempre poetizou com talento e encanto.
    Eu apelava em força para que voltasse ao nosso convívio.
    Voltou, Ontem contou-me que no verão de 2017 teve um enfarte e dois meses depois uma virose que quase o levou… Que ‘perdeu todas as emoções que o faziam sonhar e escrever’, que tem o passado guardado em gavetas que teme abrir…
    Fiquei muito impressionada. É da minha idade…
    Gostei de desabafar,
    Que Deus conceda paz a todos os aflitos.
    Beijo.
    ~~~

  • Norma Emiliano
    Responder

    Majo, os fatos ocorridos não foram diretamente comigo, mas com parentes, amiga e comunidade. Não há como determinados fatos nos afetarem e, assim, vamos refletindo, trocando e poetizando para tornar a vida mais leve, Grata por seu compartilhamento. bjs

  • toninhobira
    Responder

    Interessante Norma o texto e a proposta.

    Foi num Fevereiro de longos anos atrás eu chegava no condomínio de uma namorada que me acenou da janela ao ver o carro. Eu fiquei a esperar pela sua descida, quando ouvi gritos desesperados de quem alguém havia caído no fosso do elevador,. Havia faltado energia na hora, como era da empresa de energia corri para auxiliar no socorro e orientar no desligar para evitar religamento repentino. A pessoa caída no fosso do elevador era a namorada, caída do oitavo andar, onde o elevador parou, quando da falta de energia e um socorro sem técnica por vizinhos, permitiu a queda por debaixo da cabina. Foi no dia 2 de Fevereiro um dia de grande festa no mar para Iemanjá, onde entendi bem da festa(no aceno da chegada) e solidão (retirando-a do fosso sem vida).

    Beijo amiga.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: