Como se fossem brisas

Num trajeto normal do meu cotidiano, sem qualquer intenção, compartilhei recortes de vida.
Sentada ao meu lado, observei que havia uma senhora, de sessenta e seis anos, que me olhava de soslaio. Num certo momento, começa a me contar sobre a perda e clausura de uma amiga pela morte do marido. Fala do sofrimento e recuperação da amiga, após uma sessão espírita, na qual o marido lhe deixara uma mensagem: estava bem e desejava que ela jogasse ao mar suas cinzas, desfizesse-se de seus pertences e seguisse a sua vida. Num impulso, desejo perguntar – lhe por que me conta essas histórias. Mas, calo-me.

Percebo seu contentamento ao relatar que a encontrara ótima. Mudou de residência, afastou – se da dependência dos filhos. Hoje, tem amigas, faz ginástica e sai para dançar. Entrelaçando – se ao relato, revela que vai fazer o mesmo em relação a sua mãe. Vai dar os seus pertences, guardar os seus retratos. Levanta – se para saltar, ainda, referindo – se a certos compromissos que tinha que resolver para o pai.

Na sua saída, um senhor, de mais de setenta anos, pede licença para sentar – se. Desculpa – se por me incomodar, mas diz que vale a pena pelo prazer de sentar-se ao lado de tão simpática companhia. Olho – o e vejo seu largo sorriso. Mal agradeço a sua gentileza, começa a falar do seu atribulado dia. Tinha ido ao Rio resolver alguns problemas e nada conseguira, mas que não ia deixar de sorrir por esse fato. Percebo seu desejo de entabular uma conversa, respondo rapidamente sua pergunta sobre meu local de residência, mas despeço – me por ter chegado ao meu rumo.

Acabara a viagem e ficaram – me as imagens dessas pessoas. Dois idosos: uma mulher e um homem que tiraram – me da rotina do percurso. Trouxeram – me para suas vidas e arejaram com suas histórias o meu enredo matutino.

Norma Emiliano

Comments

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: