Carnaval que chega!!

A memória guardará o que valer a pena. A memória sabe de mim mais que eu; e ela não perde o que merece ser salvo.”Eduardo Galeno

Lembro-me de uma época que para mim era um frisson. No aproximar da festa sentia uma agitação interna. No sábado, amanhecia com muita alegria. Eram três dias de euforia. Houve um tempo em que os pais se revezavam para nos acompanhar. As fantasias eram simples, mas davam muita graciosidade e leveza para brincar, seja em blocos ou nos clubes. Eu me sentia vibrante e bonita entre as demais amigas que compartilhavam do gosto pela festa. 

Confete e serpentinas eram lançados nas ruas e nos salões carnavalescos. As paqueras davam um colorido às noites e os mascarados (morcegos, diabos, caveiras) eram o terror da meninada. As marchinhas e sambas eram tocados nos programas e todos as sabiam de cór. Quem não se lembra “O cabelo da mulata” de Lamartine Babo.

Tempos despreocupados, no qual a magia carnavalesca era um extasiante acontecimento. 

Grata por sua visita e/ou comentários.

Norma Emiliano



Comments

  • Rosélia Bezerra
    Responder

    Olá, querida amiga Norma;
    Nunca brinquei carnaval, acredita!
    Não me era permitido e não gostei depois da maior idade. Embora tivesse uma tia que me pedia para que a acompanhasse e aos dois meninos dela num clube do RJ. Eu tinha só um pequenino de dois aninhos na época.
    Na melhor idade fizeram um bloco.a tarde, na sexta e eu acompanhei mas era só para abrir alas aí em Araruama quando morei.
    Tudo foi bom, mas carnaval vai e mesmo minha praia …
    Gosto muito de ver as Escolas, entretanto.
    Fique bem aí, amiga.
    Bom descanso!

  • toninhobira
    Responder

    Uma bela lembrança que deixou saudades, os bailes de carnaval. Carnaval que eram três dias e acabava mesmo à meia noite da terça-feira e a quarta era de cinzas, não se comia carne e já se preparava para a semana santa. Os clubes com suas bandas, as fantasias simples, o matinê para as crianças. Lembro da sede da Vale em Itabira, entre confetes, serpentinas e o cheio da lança perfume, que na época era só para perfumar o salão, mínimo de violência e a gente brincava feliz. E tudo girou e a festa acabou numa grande farra de dinheiro e muitas outras coisas que a envolve. Salvador passou a fazer oito dias de carnaval com toda violência e acabou espalhando para todo o Brasil, salvo raras exceções. Enfim perdemos a festa e este ano um freio pandêmico nesta festa, que já não era para ter acontecido no ano passado, mas que o dinheiro falou mais alto e fecharam os olhos e permitiram o alastramento de um vírus violento.
    Saudades Norma de um carnaval que nem em sonhos vemos mais.
    Beijo amiga e vamos revirando nossas memórias de um tempo de feliz idade.

  • Gracita Fraga
    Responder

    Outros tempos onde carnaval era a festa da magia e da alegria
    Hoje… em casa curtindo as recordações
    Beijinhos e um maravilhoso final de semana

  • Ailime
    Responder

    Boa tarde Norma,
    Como era belo e mais tranquilo o Carnaval de então.
    Eu nunca apreciei muito, mas tenho lindas recordações de infância. Meus avós maternos nos enfeitavam (a mim e minhas duas irmãs) com serpentinas e nos compravam confetes para brincar.
    Tudo muito simples, mas muito alegre.
    Agora está difícil! Vamos nas recordações.
    Beijinhos e bons dias de Carnaval.
    Ailime

  • rudynalva
    Responder

    Norma!
    Muita folia, mas dentro de casa e com os cuidados devidos.
    Bom carnaval.
    cheirinhos
    Rudy

  • chica
    Responder

    Outros tempos, Norma! Tudo mais tranquilo…Tuas recordações lindas dele…beijos, tudo de bom,chica

  • Marilene Duarte
    Responder

    Norma, tenho saudade desse tempo. Minha mãe, coitada, passava noites em claro para nos acompanhar. E ainda realizava as tarefas diárias. O carnaval não significava loucura, mas prazer. Um prazer que morava apenas na alegria, bem puro e tranquilo, cheio de magia. Bjs.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

%d blogueiros gostam disto: