Caminhantes do século

transferir

Caminhar pelas ruas, ação tão natural, faz parte do nosso dia a dia. Contudo, virou perigo. Hoje, as calçada com seus pisos incertos somam-se aos seres que andam cabisbaixos, olhos fixos nos seus celulares, como risco para quedas.

Incrível como somos invisíveis. Tenho o hábito de caminhar atenta a tudo e a todos e fico pasma como os choque dos corpos podem ser frequentes, tendo em vista que a maioria das pessoas não estão interessadas em quem passa ao seu lado ou a sua frente. Por outro lado, nas caminhadas é comum as pessoas estarem com o fone nos ouvidos, conversando. Assim, a distração é continua…

Pensando neste sentido tive uma inspiração poética, uma vez que tudo pode ser dito nesta forma.

OLHOS DO VÍCIO

Se tu passas
não me vês
E quase me atropelas
Que posso pensar?

Mundo estranho!
Todos pegam seu caminho
e nada veem ao redor
Eu atento para não ser empurrada.

Passas, passas ligeiro
Será que vais chegar?
Na sua tela
Quanta paixão!

Quantos são?

O que importa
com quem falas
o que lês
se o teu olhar é
para o celular.

Grata por sua visita

Norma Emiliano

Imagem NET

 

Comments

  • chica
    Responder

    Ótima expressão dos dias atuais… Caminhar por vezes perigoso em todos os sentidos, pois até nas calçadas atropelados podemos ser de todas as formas. beijos, lindo domingo!chica

  • roseliadosreisbezerra
    Responder

    Boa noite de domingo, querida amiga Norma!
    Uma febre que nos deixa atônitos.
    Quando estou com quem amo, celular é só para música de fundo, para relaxar, não mais…
    Tenha dias abençoados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

  • Anete
    Responder

    Bem realistas e oportunos, texto e poema. Vivemos dias onde a superficialidade, pressa e egoísmo se multiplicam. Precisamos mesmo abrir mais os olhos e coração para andarmos pelos caminhos!
    Vamos adiante, com fé, esperança e AMOR…
    Bjs

  • Calu
    Responder

    Pois é isto, tantos olhares vazios das belezas e das possibilidades interessantes que circulam ao vivo e a cores. Tanto ofertório e pouco aproveitamento .
    Bjo grande,
    Calu

  • toninhobira
    Responder

    Uma bela observação crítica do comportamento humano no mundo conectado, para uma maravilhosa inspiração poética sobre o vazio da vida, o alheamento cronico.
    Belo trabalho Norma, lindo lhe ver tão integrada ao poetizar belo.
    Beijo amiga.

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: