A diferenciação do “self” do terapeuta

026

“Os acontecimentos transcorridos durante a terapia devem ser como “uma região intermediária” entre a doença e a vida real, um tipo de zona crepuscular da alma”
Mark Epstein

Dentre tantas histórias,  por que há momentos em que me sinto levada pelo clima desta ou daquela família? Por que este ou aquele membro da família irrita- me ou emociona- me; por que escolhi esta área profissional tão complexa?  Essas e muitas outras questões povoam a mente daqueles, que têm no seu cotidiano profissional, o encontro terapêutico. Esse se devidamente apreciado pode se constituir “num continuum” processo de individuação do terapeuta.

De acordo com Bowen, o desenvolvimento do ser humano é um processo de “diferenciação do self”. Esse consiste ao mesmo tempo, um conceito intrapsíquico e interpessoal.  A diferenciação intrapsíquica supõe a capacidade do sujeito de perceber sentimentos e pensamentos, diferenciando os próprios dos alheios. A diferenciação interpessoal implica no sujeito saber separar o eu do outro, podendo se ver em relação. Desta forma, ela define o termo de responsabilidade que deveríamos ter em relação ao nosso crescimento interno.

Clientes e terapeutas caminham juntos pela estrada do autoconhecimento em busca de alternativas para saúde mental e qualidade de vida. Segundo Nietzsche “tomar posse de si mesmo é a proposta máxima do homem, que nem de longe o aproxima do inalcançável, o seu fascínio”.

Trabalhar com neutralidade é praticamente impossível.  Estamos sempre presentes com toda a nossa bagagem histórica em todas as áreas da vida.  Para poder ver, ouvir, empatizar, focar, intervir, etc., sem que as emoções pessoais se misturem com a do cliente torna-se necessário o cuidado frequente do terapeuta com seus próprios sentimentos e ações na sessão.  Teoria e prática se fundem no encontro terapêutico em direção à individuação,

È raro recordarmos os acontecimentos traumáticos da infância. Por outro lado, somos seres de hábitos e repetimos os comportamentos que, de alguma forma, são tentativas de passar a limpo, reparar ou negar o que nos aconteceu. O terapeuta precisa criar um ambiente no qual o paciente se sinta seguro para vivenciar os sentimentos do seu passado, possa confrontá- los e redefini-los.

O processo de individuação leva- nos a libertarmos dos fantasmas e tornarmos mais flexíveis e intensos nos relacionamentos atuais, seja como terapeuta, seja como cliente.

 Norma

Comments

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: