Blogagem Coletiva – Sentimento

 
Estima – Amor próprio

 natal6

 

“Não sou você
Ou ele
Ou ela
Eu sou Eu

 

Não sou baixa
Ou alta
Ou grande
Ou pequena
Eu sou Eu

 

Não sou boa
Ou má
Ou alegre
Ou triste
Eu sou Eu

 

Oh, deixe-me ser Eu!

 

Não está vendo?
Não consegue entender?
Antes de qualquer coisa
 Eu sou Eu.”   

                                                           Zerka Moreno ( O Direito de ser eu)

 

  

Ao meu amor

 

O amor próprio é a seta que nos lança ao amor do outro.

 

Como me vejo, como sou visto?  Na trajetória do ser humano as respostas a essas perguntas constroem a auto estima que se inicia na infância e se reforça na adolescência.

Auto estima e amor próprio caminham juntos. Na  infância, na interação com os pais ou responsávéis, que se inica a  construção  do olhar sobre si mesmo.

Ao fazermos parte dessa vida, sentimos o amor  daqueles  que nos acalentam, cuidam e alimentam. Cada gesto, cada movimento nos coloca diante do amor e é esse amor que nos norteia. Quem não recebe amor tem dificuldade de amar, pois não se acha digno de ser amado e, portanto,  não ama a si próprio. Por outro lado, o excesso de auto estima (narcisismo) pode levar a autodestruição, pois nos aprisiona ao nosso próprio casulo.

A forma como cada um se vê, interfere na maneira de viver e conviver. É na dança relacional que aprendemos que o amor do outro pode ser do tamanho do nosso, na medida em que aceitamos e recebemos sua manifestação de amor.

A auto estima é a  nossa melhor aliada do sucesso na vida pessoal e profissional.

Fique atento:

“Se um dia alguém fizer com que se quebre a visão bonita que você tem de si, com muita paciência e amor reconstrua-a.  Assim como o artesão recupera a sua peça mais valiosa que caiu no chão, sem duvidar de que aquela é a tarefa mais importante, você é a sua criação mais valiosa.

Não olhe para trás. Não olhe para os lados. Olhe somente para dentro, para bem dentro de você e faça dali o seu lugar de descanso, conforto e recomposição. Crie este universo agradável para si e seja feliz.”  (Brahma Kumaris).

Este texto é a minha participação na Blogagem Coletiva  Emoções e Sentimentos com o tema  Auto estima – Amor  próprio sob a organização de Glorinha do blog Café com bolo.

 

Comments

  • Sonia Beth
    Responder

    Ei Norma, bom dia: Quantas crianças não têm (ou tiveram) a oportunidade de construir a autoestima, não amiga?É uma pena!
    Um excelente dia pta voce.

  • Tati
    Responder

    Olá Norma, adorei seu texto. Eu já vivi esta sensação de reconstrução de auto imagem algumas vezes na vida. E sinto que sempre saio enriquecida!
    Um grande beijo,
    Tati.

  • Beth Q.
    Responder

    Bom dia, Norma!
    Ahhhh, como gostei do post!
    Especialmente esta frase: ““Se um dia alguém fizer com que se quebre a visão bonita que você tem de si, com muita paciência e amor reconstrua-a.”
    Acho que foi isso que sempre fiz, por esta razão nunca me senti por baixo na vida, reconstrui-me com a dor ou com alguma perda, mas nunca me deixei arrastar para baixo do tapete.
    beijos cariocas

  • Ana Karla – Misturação Misturão
    Responder

    Oi , você sempre tem belas lições a nos passar, por isso que gosto tanto de vir aqui.

    Concordo plenamente que a auto estima e o amor próprio são aliados.

    Xeros

  • Luzia
    Responder

    Oi Norma!
    Com licença!
    Vi um comentário seu no blog de uma grande amiga e através do título do seu, fiquei curiosa. Sou esposa, mãe, mulher e por aí vai…
    Sou daquelas que procuro melhorar a cada dia e ser/dar o melhor que posso. E uma grande aliada minha, é a leitura. Procuro informações de todos os jeitos…
    Adorei o texto, me emocionou profundamente com tanta verdade e até mesmo dor…feridas passadas que superamos mas às vezes aquela lembrançaaaaaa sorrateira vem…mas vai de volta!rs
    Virei sempre aqui…
    Com licença!
    Luzia Medeiros

  • roselia
    Responder

    Olá, Norma
    Ótimo dia para a gente refletir sobre nossa conduta pessoal.
    A INTEGRAÇÃO do nosso ser é processo que vale a pena!
    Harmonia e abraços fraternais

  • Socorro Melo
    Responder

    Oi, Norma!

    A fotografia, é você? ficou muito bem.
    Adorei seu texto. E concordo que a nossa formação vem do seio da família. Se formos bem cuidados e amados, isso se refletirá na nossa personalidade. Acho que onde existe amor, tudo é inundado por ele e dificilmente pode sair algo errado.

    Um grande abraço
    Socorro Melo

  • Glorinha Leão
    Responder

    Uau Norma que bacana seu texto! Eu sou eu…é verdade …cada um é como é e que se aceite do jeito que é. Esse é o segredo para a felicidade. bjs.

  • Astrid Annabelle
    Responder

    Olá Norma querida!
    Muito interessante a poesia de Zerka Moreno. Sim!!! Permitam-me ser eu!!!
    Que as minhas multiplas faces entrem em acordo e me permitam ser simplesmente eu!
    Adorei, para ser sincera.
    Está excelente a sua abordagem ao tema de hoje.
    Aliás como sempre, não é?
    Beijo gostoso
    Astrid Annabelle

  • Luma
    Responder

    Norma, acredito que os pais sejam os grandes responsáveis pela construção da auto estima dos filhos e também pela sua destruição, principalmente quando corrigem demais, no intuito de educar e acabam por retirar-lhes o desenvolvimento da personalidade. Outros, com o mesmo intuito, comparam demais os filhos, entre si ou com filhos de outrem. Estou errada em pensar assim?
    Gostei muito da citação de Brahma Kumaris. Vou procurar ler mais. Gostei muito mesmo!
    Boa blogagem! Beijus,

  • Nilce
    Responder

    Oi, Norma

    Muito lindo e apropriado o seu texto.
    Concordo com vc quando diz: reconstruir sempre!

    Bjs no coração!

    Nilce

  • Manuela Freitas
    Responder

    Olá Norma,
    Não sei porque razão o seu blogue não aparece na minha lista de blogues, mas andei a procurá-la.
    O seu post está óptimo e eu o subscrevo. Primeiro que tudo nós temos que gostar de nós e porque cada abalo temos que parar para nos reconstruir. Só estando bem connosco, podemos estar bem com os outros.
    Beijinhos,
    Manú

  • Norma Emiliano
    Responder

    Oi Socorro
    Esta sou eu, e sinto-me muito bem nesta etapa de vida que me encontro. Sempre em busca de novos focos.

    Luma querida
    Você esta certissima, mas, normalmente os pais fazem o melhor que eles podem.

    A todos que aqui estiveram compartilhando desta blogagem meu carinho e que possamos estar crescendo com ela.
    bjs

  • Lúcia Soares
    Responder

    Norma, só agora consegui vir aqui. Seu texto é perfeito, a poesia é linda.
    Basicamente nos tornamos o que seremos desde a infância.
    Muitos pais colocam tudo a perder, criando filhos inseguros, tristes, revoltados, etc.
    Mas como você disse, podem ter tido as melhores intenções.
    Acontece que muitas vezes os próprios pais sofrem de baixa autoestima, então não têm o que passar.
    Apesar de no meu texto parecer que fui discriminada pelos meus pais, isto não se deu. As pessoas à volta é que faziam comparações.
    Sou de altos e baixo, como a maioria das pessoas, mas ainda acho “o tom” certo pra viver melhor. rsrsr
    Beijos!

  • Crica
    Responder

    Oi Norma
    Adorei o poema!
    Eu fiz meio que um desabafo lá no meu blog, porque acho que tem pessoas que pensam que não temos autoestima e querem nos anular no relacionamento.
    Precisamos amar ao próximo como a nós mesmos.

  • toninhobira
    Responder

    Lindo ser o que se pensa se e neste pensar trilha e faz sua historia. E com saudades do café com bolo hoje leio esta beleza sete anos depois, quando eu entrava para blogosfera. E hoje creio ser ainda mais voce.
    Beijos

Sua visita e comentários são muito significativos. Volte sempre.

Get Adobe Flash player
%d blogueiros gostam disto: